Prevalência e preditores da adição ao trabalho em gestores

  • Letícia Ribeiro Souto Pinheiro Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Rio Grande do Sul
  • Mary Sandra Carlotto Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul

Resumen

O presente estudo objetivou identificar a prevalência e os preditores da adição ao trabalho em uma amostra de 392 gestores Brasileiros. Como instrumentos de pesquisa, foram utilizados um questionário sociodemográfico e laboral, a Dutch Work a Addiction Scale, a Utrecht Work Engagement Scale, a Escala de Satisfação com a Vida e a Escala de Foco Regulatório. A análise dos dados foi realizada por meio de regressão linear múltipla para as duas dimensões da adição ao trabalho, trabalho excessivo e trabalho compulsivo. A dimensão de trabalho excessivo revelou um modelo preditor composto pelas variáveis de satisfação com a vida, dedicação, absorção, horas diárias de utilização de tecnologias e tipo de vínculo, enquanto a dimensão do trabalho compulsivo foi explicada pelas variáveis absorção, satisfação com a vida, quantidade de horas trabalhadas no final de semana, motivação/foco na prevenção e idade. Os resultados revelaram um modelo preditor composto por variáveis individuais e características do cargo/trabalho/instituição, sugerindo se tratar de um fenômeno psicossocial. O modelo identificado pode subsidiar novos estudos e intervenções voltadas para a melhoria da qualidade de vida no trabalho, promovendo a saúde e bem-estar entre gestores.
Palabras clave adição ao trabalho, gestores, saúde ocupacional
Compartir
Cómo citar
Pinheiro, L., & Carlotto, M. (2018). Prevalência e preditores da adição ao trabalho em gestores. Revista de Psicología, 27(1), pp. 1-11. doi:10.5354/0719-0581.2018.50742
Sección
Artículos
Publicado
2018-09-07